Você Domina o Álcool ou o Álcool Domina Você?

/Você Domina o Álcool ou o Álcool Domina Você?

Você Domina o Álcool ou o Álcool Domina Você?

O álcool é a droga mais consumida em todo o planeta, é socialmente e culturalmente aceita, mas nem por isso é inofensiva. Infelizmente tem se tornado símbolo de independência, beleza e modernidade.

álcool é a droga mais consumida em todo o planeta, é socialmente e culturalmente aceita, mas nem por isso é inofensiva. Infelizmente tem se tornado símbolo de independência, beleza e modernidade. O consumo entre os jovens tem se iniciado cada vez mais cedo graças ao apoio social que recebem. As conseqüências são dramáticas. A dependência logo chega e traz consigo um drama psicossocial.

O alcoolismo, segundo o dicionário, é o vício de ingerir bebidas alcoólicas, é o estado patológico gerado pelo abuso do álcool. Estado patológico, ótima definição. É o que é verdadeiramente o alcoolismo. Uma doença de efeitos sociais, biológicos, familiares, morais e profissionais. O melhor conselho dentro deste assunto é, não use. Uma exceção única pode ser aberta, que aliás, é até benéfica, para aquele cálice de vinho esporadicamente consumido.

As pessoas que utilizam o álcool costumam trazer consigo a certeza do controle sobre a bebida. Afirmam veementemente que param logo que desejarem, que a bebida não muda seu comportamento, mas a realidade não é essa. Se o álcool começa a trazer prejuízos para as relações pessoais e profissionais, então já é o início do vício. Uma vez consumido o álcool, independentemente do usuário, altera a percepção do ambiente pelo indivíduo. Isso traz muitas conseqüências, não só para ele, mas para a sociedade como um todo e para seus familiares.

É fato que a grande maioria dos acidentes de trânsito se dá em decorrência de falha humana, normalmente realizando imprudências sob efeito do álcool. São raros os acidentes que ocorrem por falha mecânica ou na organização do trânsito, pois as regras, se seguidas, permitem um trânsito muito tranquilo. Sob o efeito da bebida os usuários podem apresentar diferentes reações: depressão, euforia, sensação de poder e superioridade, força, confusão mental, entre outros. O fato é que o indivíduo sai de seu estado racional e começa a agir de maneira inconseqüente, não tem a perfeita organização de suas idéias e pode se mostrar demasiadamente violento.

Quem convive com viciados em álcool sofre e afirma que o comportamento muda drasticamente. Pessoas tranquilas, dóceis e gentis se transformam em indivíduos violentos. A convivência com os usuários é complicada, não há estabilidade emocional e num piscar de olhos tudo pode mudar. A família vai do céu ao inferno em minutos. O usuário dependente de álcool perde a confiança das pessoas e geralmente tende a ser evitado pela família, em especial nos momentos em que usa a droga. Com o uso freqüente, além da relação familiar, as relações de trabalho tendem a se tornar cada vez mais frágeis. Atrasos, faltas, ineficiência na realização das tarefas devido aos efeitos biológicos do álcool (como dor de cabeça, tontura, sonolência, dor no estômago) são razões suficientes para que o indivíduo seja considerado inapto para o trabalho.

O desemprego tornará as relações familiares ainda piores, pois a família percebe que, em conseqüência do álcool, tudo se perde aos poucos. O casamento se rompe, os amigos se vão, como sempre, em geral só fica a mãe, e claro, os companheiros de copo. A família derrete como gelo, pois não suporta a irresponsabilidade do usuário da droga, o sofrimento, a violência, as ofensas infundadas e a solidão. Além de tudo isso o consumo desregrado do álcool pode instar outras várias doenças no organismo, algumas delas podem inclusive levar à morte. Morte lenta e dura, que vai obrigando o indivíduo a se privar de muitos prazeres. Entre os danos à saúde podemos citar a cirrose, a esteatose hepática e a impotência sexual. Às gestantes pode ocasionar o mal desenvolvimento e crescimento fetal.

Mas não é só o uso constante da droga que traz tamanhos prejuízos. Seu uso esporádico costuma também ser catastrófico. Ele é o responsável por brigas em bares, assassinatos e inúmeros acidentes de trânsito que acabam com a vida de pessoas inocentes. O usuário de álcool precisa entender de uma vez por todas que após o consumo da bebida não existe nenhuma possibilidade de seus reflexos e sua percepção do ambiente permanecer eficiente. Em uma situação delicada, que exige decisão rápida, ele não será capaz de agir com a mesma velocidade que agiria se estivesse sóbrio. Fará manobras que acha possível devido à embriaguez, mas não são. Os acidentes são inevitáveis. Mas a impressão que se tem é que é este o desejo das autoridades que permitem tamanho incentivo ao uso do álcool por parte dos meios de comunicação. Mesmo quem não consome o álcool há de concordar, as propagandas são muito atraentes. Muito homem, muita mulher bonita, alegria, festa… eba! Mal sabem os usuários que homens e mulheres com aqueles corpos quase perfeitos certamente não passam a menos de 1 km de distância de uma cerveja ou qualquer outra bebida alcoólica. Eles precisam estar sempre dispostos, prontos pra malhação, e lógico não irão colaborar para tornar esses lindos corpos flácidos.

Falta aos dependentes de álcool senso crítico e desejo de viver plenamente. A vida com o álcool é triste, incompleta, instável, vergonhosa… é difícil não sentir vergonha aos se ver fora de si, incapaz de se mover, dominado pelo álcool e, após a farra, solitária. Se você ainda tem família e emprego, afaste-se do álcool. Pode chegar um momento em que não dará mais tempo. Se já perdeu quase tudo, não se desespere, tenha fé, procure tratamento para dependentes e tente recuperar aquilo que ama e que o vício levou pra longe de você.

By | 2018-07-17T00:48:35+00:00 June 12th, 2018|Uncategorized|0 Comments

Leave A Comment